domingo, 6 de novembro de 2011

ANALISAR E INTERPRETAR UM TEXTO POÉTICO

              
Após escolher o poema que mais lhe tenha interessado, analise-o, tendo em conta os seguintes passos:
1. Contextualizar o poema na obra e época do autor.
2. Fazer uma descrição formal do poema: estrofe; métrica; ritmo; rima.
3. Indicar o tema particular do texto e salientar, justificando, se o poema escolhido pertence ao grupo dos de cariz “intimista” ou dos de cariz “político-social”.   
              
              
- No caso de o poema ser de cariz “intimista”, salientar o seguinte: 
              
- o facto e o modo como o sujeito da enunciação reflete sobre a vivência íntima, as tensões e as contradições pessoais, o diálogo eu-tu, o amor, a indiferença ou outros sentimentos, sensações, emoções e atitudes;
- o facto e o modo como o sujeito reage às vicissitudes da vida, ao «desconcerto do mundo», à mudança, à efemeridade do prazer e do bem, à problemática do quotidiano;
- o facto e o modo como você, leitor, adere ou não à mensagem do poema (questões, propostas, soluções);
              
              
B - No caso de o poema ser de cariz “político-social”, salientar:
              
- o facto e o modo como o sujeito problematiza a sociedade e o mundo onde vive;
- a apologia (elogio) dos valores e a denúncia dos erros, desvios e aberrações das pessoas e das instituições político-sociais;
- o fundamento ideológico e doutrinário da postura e da visão crítica do sujeito;
- os exemplos ilustrativos da argumentação textual;
- a sua adesão ou recusa como leitor à mensagem do poema.
              
              
4. Fazer uma possível divisão do poema em partes lógicas, justificando.
5. Referir, exemplificadamente, os recursos expressivos utilizados e explicar a sua representatividade/importância no poema.
              
Consideram-se RECURSOS EXPRESSIVOS, por exemplo:
              
A – figuras de estilo;
              
B – o valor estilístico
   - da coordenação ou da subordinação;
   - da pontuação (interrogação, exclamação, reticências, travessão ou parêntesis);
   - dos tempos e modos verbais;
   - do uso do adjetivo (adjetivação dupla; colocação do adjetivo antes do substantivo);
   - de grupos de palavras de cariz negativo (disfórico) ou positivo (eufórico);
   - do vocabulário oralizante;
   - dos registos de língua (familiar, popular, cuidado);
   - do advérbio acabado em -mente;
   ...
              



  

[Post original: http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2011/11/06/analisepoetica.aspx]
Enviar um comentário