quarta-feira, 25 de julho de 2012

LEVOU-S'A LOUÇANA, LEVOU-S'A VELIDA (PERO MEOGO)


IV- LEVANTOU-S’ A VELIDA, Antonio García Patiño
      


      

[Levou-s’a louçana], levou-s’a velida:

vai lavar cabelos, na fontana fria.

Leda dos amores, dos amores leda.

     

Levou-se: levantou-se

Louçana/velida: bela, formosa


    

    

[levou-s’a velida], Levou-s’a louçana:

vai lavar cabelos, na fria fontana.

Leda dos amores, dos amores leda.

    

    

Fontana: fonte

    

    

Vai lavar cabelos, na fontana fria:

passou seu amigo, que lhi bem queria.

Leda dos amores, dos amores leda.

    





Vai lavar cabelos, na fria fontana:

passa seu amigo, que a muit’amava.

Leda dos amores, dos amores leda.

    





Passa seu amigo, que lhi bem queria:

o cervo do monte a augua volvia.

Leda dos amores, dos amores leda.

    





Passa seu amigo, que a muit’amava:

o cervo do monte volvia a augua.

Leda dos amores, dos amores leda




    

Pero Meogo, CBN 1188/ CV 793

      

ANÁLISE DE UM POEMA MEDIEVAL

Esta cantiga de amigo, paralelística perfeita, constituída por três pares de dísticos hendecassilábicos graves, monórrimos (a última palavra é grave) e refrão monóstico, é, ao mesmo tempo, uma alba, alva ou alvorada («Levou-se», isto é, «levantou-se») que canta o momento do levantar, ao nascer do sol, e um ritual protalâmico, ou de noivado.
          As três sequências narrativas (o levantar, o caminhar para a fonte, onde a donzela lavará os cabelos, e o encontro amoroso com o amigo) da cantiga são portadoras de uma carga afetiva sedutora e fascinante que o refrão veicula e inculca insistentemente, numa feliz aliança entre modo narrativo e lírico: «leda dos amores, dos amores leda».
          Fascina-nos, de facto, como num ecrã mágico, a beleza da jovem: «louçana», «velida», erguendo o seu corpo, levantando-se. Fascina-nos o gesto lento e ritual da lavagem dos cabelos, elemento erótico fundamental do corpo feminino, ritual de purificação, exigido não apenas por necessidades higiénicas e cosméticas, mas também por costumes ancestrais. Fascina-nos, em contraste com este calor do corpo, o frio da água, a «fria fontana», extremos térmicos que conotam o pulsar de uma paixão. Fascina-nos a caracterização interior, ou psicológica, da donzela, na alegria pura do seu primeiro amor: «leda dos amores». Fascina-nos, mesmo, a sua virgindade, simbolizada pela água que vai ser revolvida, suja, pelos cervos do monte, símbolo masculino, responsável pelo brusco quebrar dessa virgindade.
Por um lado, como que se perde o encanto mágico de um mito. Por outro, mais não acontece do que um simples rito de iniciação que inaugura a passagem a uma nova condição:
«Passa seu amigo, que lhi ben queria»;
«Passa seu amigo que a muito amava».
O quadro pintado, num cenário natural, diríamos hoje ecológico, é uma representação intemporal da união sexual entre homem e mulher, na delicadeza poética de quem canta a transcendência idealista dos gestos e dos sentimentos mais simples e, ao mesmo tempo, mais profundos, do ser humano.
                
(Análise de um poema medieval por António Moniz e Olegário Paz,
Ler para ser – percursos em português B, Lisboa, Editorial Presença, 1994, p. 105)
       


QUESTIONÁRIO
1. Compare a cantiga com outras já estudadas, no que diz respeito ao sujeito de enunciação. 
2. Saliente a estrutura narrativa do poema, atentando nos tempos verbais utilizados e na sequência das acções.
3. Explique a simbologia de «fontana», «água», «lavar cabelos» e «cervo».
4. Indique de que modo o penúltimo verso pode ser considerado o desfecho da pequena narrativa que o poema integra.
     


RESOLUÇÃO DE QUESTIONÁRIO
1. Nesta cantiga o sujeito de enunciação é um narrador de 3ª pessoa; nas outras cantigas é uma donzela ou a mãe.
2. O poema tem estrutura narrativa, por causa da abundância de verbos de acção, isto é, ligados a gestos e movimentos que provocam uma visão dinâmica e actuante da realidade.
O presente do indicativo é um tempo cujo modo é o da realidade, do que acontece (presente histórico).
A perifrástica IR + INFINITIVO tem o valor aspectual de realização futura da acção, que pode se imediata ou não (e pode ter também o valor aspectual de realização gradual da acção).
Há também uma sequência de acções própria da narrativa: 1.ª) a donzela levantou-se, 2.ª) vai lavar cabelos, 3.ª) passa seu amigo, 4.ª) o cervo do monte volvia a água.
3. Simbologia:
FONTANA, fonte, local de encontro, símbolo de pureza (nitidez do amor); símbolo de maternidade; nas culturas tradicionais simboliza a origem da vida, do génio, do poder, da graça e da felicidade. Para os gauleses, as fontes eram as divindades que tinham como propriedades curar as feridas e reanimar os guerreiros mortos (cf. Dicionário de Símbolos).
ÁGUA, pureza, inocência; harmonia amorosa entre os dois amados.
LAVAR CABELOS, prefigura o banho nupcial e simboliza a expectativa íntima da moça. Lavar cabelo (ou camisas) em água é uma manifestação da sensualidade feminina, assim como desatar os cabelos tem uma conotação afrodisíaca.
CERVO, veado, símbolo do ardor amoroso, da potência viril e da fecundidade é uma referência ao amigo.
4. O cervo ao volver a água turva-a. Simbolicamente é o amigo que ao passar e ao demorar-se (a conversar?) deixa perturbada até ao fundo a límpida sensualidade inexperiente da amiga.
    
         
          
Poderá também gostar de:




Enviar um comentário