quinta-feira, 23 de agosto de 2012

EU, COMOVIDO A OESTE, Poema 12

      






POEMA 12

Lembro o que perco. Estranho
Que meu regaço vá vazio.
Já enche o monte o meu rebanho
E, chega o inverno, tenho frio.

Se o mar que tive o sal me nega,
Como me posso conservar?
Minha saudade só despega
Quando não vê para cavar.

Abri agora o meu piano.
Que imprópria música desprende!
Mofo e tristeza de ano
Seus tendõezinhos prende.

Mas toco. Junta-se gente:
São os retratos da sala,
Que o ar da noite acentua.
A minha mão lhes fala
Da sua vida ausente
Naquela parede nua.

Que exacta, a minha mão
No seu mover, chamando
A música remota!
Sérios, os mortos vão
Seus lugares retomando
Enquanto a noite se esgota.

Vitorino Nemésio, Eu, Comovido a Oeste (1940)
          
         



LINHAS DE LEITURA
      

Faça o comentário do poema, tendo em conta as seguintes linhas:

• o sentimento de perda, de vazio, de frio;

• a memória;

• a saudade do mar, insistente;

• as imagens de raiz rural e as imagens de raiz marítima;

• o piano: a música a convocar o passado, os mortos;

• a consciência do tempo que passa, o inverno e a noite chegados.

        
Plural 12, E. Costa, V. Baptista, A. Gomes, Lisboa Editora, 1999.
       
       


SUGESTÕES DE LEITURA
      
   

[Post original: http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2012/08/23/poema12.aspx]
Enviar um comentário