sexta-feira, 17 de agosto de 2012

NATAL DAS ILHAS (Vitorino Nemésio)


Presépio de lapinha (Açores)
         
      
NATAL DAS ILHAS

Natal das Ilhas. Aonde
O prato do trigo novo,
A camélia imaculada,
O gosto no pão do povo?
Olho, já não vejo nada.
Chamo, ninguém me responde.

Natal das Ilhas. Serão
Ilhas de gente sem telha,
Jesus nascido no chão
Sobre alguma colcha velha?

Burra de cigano às palhas,
Vaca com língua de pneu,
Presépio girando em calhas
Como o eléctrico, tu e eu.

Natal das Ilhas. Já brilha
Nas ondas do mar de inverno
O menino bem lembrado,
Que trouxe da sua ilha
O gosto do peixe eterno
Em perdão do seu passado.
      
Vitorino Nemésio, Sapateia Açoriana
      
      
LINHAS DE LEITURA
      
·         Observe a forma como, no poema, a memória das Ilhas, a memória da infância nas Ilhas se articula com um presente de perda e vazio.
·         Repare também como o sujeito poético enfrenta a saudade através de uma ironia distanciadora.
         
Plural 12, E. Costa, V. Baptista, A. Gomes, Lisboa Editora, 1999.
      
      
SUGESTÕES DE LEITURA
      
   
[Post original: http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2012/08/17/Natal.das.Ilhas.aspx]
Enviar um comentário