quinta-feira, 16 de agosto de 2012

TODAS AS TARDES LEVO A MINHA SOMBRA A BEBER (Vitorino Nemésio)

                             Lia Chechelashvili
      
     
IMAGEM

Todas as tardes levo a minha sombra a beber
Como uma nuvem ao mar de que saiu o meu ser.
Não é mais doce a sombra do cavalo
Aberta pelo luar, e o dono a acompanhá-lo.

Levo essa sombra que destinge
Da minha alma e conserva uma mancha de mágoa;
Triste vestido que me cinge,
Deixou a cor no fundo da água.

Eu, cortado de mim como uma flor (e tenho
Vergonha de sentir a flor), as mãos embebo
Nessa água que leva a visão de onde venho,
E é para a não perder que, bebendo-a, me bebo.
      
Vitorino Nemésio, o Bicho Harmonioso (1938)
     
     
LEITURA ORIENTADA
     
Comenta o poema, tendo em conta os seguintes elementos:
• o sujeito poético e seu duplo ‑ a sombra;
• o regresso às origens ‑ ao mar;
• o significado da mancha (da cor que destinge e se perdeu);
• as metáforas, as comparações.
Plural 12, E. Costa, V. Baptista, A. Gomes, Lisboa Editora, 1999.
       
SUGESTÃO
      
   
[Post original: http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2012/08/16/imagem.aspx]
Enviar um comentário