quarta-feira, 4 de setembro de 2013

FONTE CLARA (Vitorino Nemésio)


  IV- LEVANTOU-S’ A VELIDA - Don Denis, Antonio García Patiño
              
           
FONTE CLARA

Fonte clara, fonte clara,
Pedra doce n’água amara.

Fonte clara, fonte bela,
Mas bebê-la?

Fonte clara, escuro jorro,
À sede morro.

Fonte clara, fonte seca
Do muito que a boca peca.

Fonte clara, pura fonte:
Se molha o vale, esvai o monte.

Fonte clara, fonte viva
De onde a minha alma deriva.

Fonte já seca. – e perde
Nome de fonte minha fronte verde
           
Vitorino Nemésio, Obras Completas, Vol. II – Poesia
s.l.: Imprensa Nacional da Casa da Moeda, 1989, p. 429
    
         
Aproximação formal à estrutura das cantigas medievais ‑ […] o recurso aos códigos formais do cancioneiro trovadoresco pelos poetas contemporâneos, na busca de uma poesia marcada pela recuperação dos modelos popularizantes, pelo primitivismo, pela pureza e translucidez das palavras e dos sons.
As principais marcas da inspiração trovadoresca, no plano da estrutura formal, consistem no recurso insistente ao paralelismo (literal e estrutural), a um esquema rimático simples e repetitivo e aos processos iterativos de dobre e mozdobre, criando assim composições que exploram as virtualidades rítmico-musicais do discurso poético.Motz son encontram-se, à semelhança do que acontecia com os bardos da Occitânia, consorciados no acto da composição poética.
O poema “Fonte Clara”, de Vitorino Nemésio, é bem expressivo desta tendência.
Neste poema, desempenha papel formalizante o paralelismo estrutural, através da repetição do primeiro verso em todos os dísticos, ainda que com variações sinonímicas na segunda parte do verso. O recurso ao dobre faz-se através da repetição insistente do lexema “fonte”, que é um vocábulo semântica e simbolicamente sobredeterminado no universo da cantiga de amigo e da poesia popular em geral, conotando pureza e fertilidade.
A rima emparelhada, a par da estrutura paralelística e da apóstrofe inicial à “fonte clara”, aproximam, pela sua toada popularizante, esta composição às cantigas de amigo, cujo fim era a sua reprodução musical, ainda que tematicamente não se verifiquem semelhanças.
Sílvia Marisa dos Santos Almeida Cunha
Universidade de Aveiro- Departamento de Línguas e Culturas, 2008, pp. 18-19
            
            
PODERÁ TAMBÉM GOSTAR DE LER:
      
 Poesia trovadoresca galego-portuguesa: síntese didática
 Cantigas medievais galego-portuguesas – projeto Littera: a presente base de dados disponibiliza, aos investigadores e ao público em geral, a totalidade das cantigas medievais presentes nos cancioneiros galego-portugueses, as respetivas imagens dos manuscritos e ainda a música (quer a medieval, quer as versões ou composições originais contemporâneas que tomam como ponto de partida os textos das cantigas medievais).
       
           

[Post original: http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2013/09/04/fonte.clara.aspx]
Enviar um comentário