domingo, 27 de março de 2016

Poesia a reboque das edições de autor

José Carreiro, Ponta Delgada, 2005-11-30. Chuva de Época. Edição de autor.

“Invisível” para as massas durante quase todo o ano, o género poético continua a exibir um dinamismo insuspeito, numa espécie de milagre que desafia a lógica e a razão. O circuito da poesia, que inclui recitais, tertúlias ou festivais, atravessa a totalidade do território nacional e é frequentado por entusiastas de diferentes gerações, na maior parte candidatos a poetas.

Bem diferente é o panorama editorial. Não que o número de edições seja escasso, mas porque, perante a retração das editoras, está cada vez mais dependente do investimento dos próprios autores na compra de exemplares que suportem os custos de impressão. Segundo números recolhidos pelo Jornal de Notícias junto da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), foram publicados em território nacional, só na última década, mais de 15 mil livros de poesia (15.660), o que equivale a 4.5% da produção editorial. Nesse período, 180 editoras publicaram pelo menos um livro de poesia. As que desenvolvem atividade regular neste género, todavia, são uma minoria.
Ainda segundo a APEL, nos últimos anos “o aumento tem sido gradual”, sem, no entanto, especificar esse incremento. Certo é que “a maioria das obras são edições de autor” assinala a mesma fonte. A percentagem seria ainda mais elevada se incluíssemos as editoras de autor com chancela, ou seja, livros publicados por pretensas editoras mas que, na prática, obrigam o escritor a assumir (mais do que) a totalidade dos custos de edição, cobrando preços que variam entre os 1500 e os três mil euros. Mais grave ainda: em muitos casos, os livros não chegam sequer a ser dar entrada no mercado editorial.

Poetas “mais pobres”
A situação não causa estranheza ao poeta A. Pedro Ribeiro, com mais de uma dezena de obras publicadas, que diz mesmo que a prática é cada vez mais generalizada. “Quase todas as editoras pedem dinheiro para publicar”, acusa.
Vasco David, editor da Assírio & Alvim, reconhece que “existem mais opções” de publicação hoje, mas adverte, por outro lado, que “muitas delas não chegam a dar qualquer visibilidade aos autores”. “Acabam é por deixá-los mais pobres”, constata.
As editoras de poesia que, não pertencendo a nenhum grande grupo, se recusam a entrar no jogo das edições custeadas enfrentam dificuldades severas. É o caso da mítica Edições Mortas, que hoje publica apenas a revista Piolho. Imbuído da “mesma necessidade de repetir, conspirar e corromper como se não houvesse amanhã”, o editor e poeta A. Dasilva O. observa que “Portugal não merece os editores, em extinção, que persegue e condena”; lamentando “a promoção e glorificação dos editores de iliteracia”.
Apesar dos avanços tecnológicos da última década terem facilitado a edição, o poeta João Luís Barreto Guimarães acredita que o papel do editor de poesia “ainda é fundamental”. “As plataformas online são ótimas facilitadoras da divulgação, mas não devem ser aceleradoras da publicação, A edição de poesia carece de tempo e de juízo crítico”, defende o autor do recente Mediterrâneo.
Idêntica opinião acerca do impacto das tecnologias na edição tem o responsável da Assírio & Alvim, convicto de que “a Internet não funciona como um veículo de edição, mas sim como uma plataforma de publicação e muitas vezes de auto-publicação”.
Menos consensual parece ser a questão do número de leitores de poesia. Vasco David acredita que “se tem mantido estável, o que só por si é notável, considerando que existem cada vez menos livrarias”. Além disso, prossegue, “as livrarias apostam cada vez menos neste género, optando por uma oferta massificada e cada vez mais comercial”.
Membro ativo de tertúlias e sessões de poesia, A. Pedro Ribeiro dirige palavras críticas “aos versejadores da corte”, mais interessados em “ganharem prémios” do que no exercício pleno e desinteressado da escrita poética.
A questão volta a não gerar consenso. João Luís Barreto Guimarães considera-as úteis, ao funcionarem como “focos de resistência", e Vasco David diz que “há iniciativas muito boas e outras nem tanto”. Mais contundente é o editor da 50 Kg, que dedica palavras corrosivas ao (epi)fenómeno: “Essas iniciativas sobre a poesia estão na ordem do espetáculo. É por isso que se assiste a espetáculos poéticos, com música, cuspidores de fogo, novos jograis, e até strippers... Isso tudo para plena satisfação de um público consumidor de espetáculos... Mais leitores? Ui, 'tá' quieto!”.

Rui Azevedo Ribeiro, por seu turno, prefere apontar o dedo aos “conglomerados editoriais, que agora proliferam”, responsáveis pela atual desregulação do mercado. No entender do também poeta, os grandes grupos “também já possuem meios de expressão da crítica”, pelo que “começaram a introduzir novos autores que não passam por um crivo de 'qualidade' isento e criticamente eficaz”.

Contra "os versejadores da corte" 
O autor do poema Declaração de amor ao primeiro-ministro diz ainda “ter muitas dúvidas” de que hoje existam mais iniciativas poéticas do que há uma década, por exemplo.

Sérgio Almeida
http://www.jn.pt/blogs/babel/archive/2016/03/26/poesia-a-reboque-das-edi-231-245-es-de-autor.aspx



Enviar um comentário