segunda-feira, 13 de setembro de 2010

BIBLIOTECA




           

«... Um dos mal-entendidos que dominam a noção de biblioteca é o facto de se pensar que se vai à biblioteca pedir um livro cujo título se conhece. Na verdade acontece muitas vezes ir-se à biblioteca porque se quer um livro cujo título se conhece, mas a principal função da biblioteca, pelo menos a função da biblioteca da minha casa ou da de qualquer amigo que possamos ir visitar, é de descobrir livros de cuja existência não se suspeitava e que, todavia, se revelam extremamente importantes para nós.
... A função ideal de uma biblioteca é de ser um pouco como a loja de um alfarrabista, algo onde se podem fazer verdadeiros achados e esta função só pode ser permitida por meio do livre acesso aos corredores das estantes.
... Se a biblioteca é, como pretende Borges, um modelo do Universo, tentemos transformá-la num universo à medida do homem e, volto a recordar, à medida do homem quer também dizer alegre, com a possibilidade de se tomar um café, com a possibilidade de dois estudantes numa tarde se sentarem numa maple e, não digo de se entregarem a um amplexo indecente, mas de consumarem parte do seu flirt na biblioteca, enquanto retiram ou voltam a pôr nas estantes alguns livros de interesse científico, isto é, uma biblioteca onde apeteça ir e que se vá transformando gradualmente numa grande máquina de tempos livres...».

Umberto Eco, A BibliotecaLisboa, Difel, 1987
Título original: De Biblioteca (1983)




  

Vieira da Silva (1908 - 1992)Bibliothèque en Feu (1974)

    
           

O pedreiro Evando dos Santos, no quarto em que dorme, em sua casa-biblioteca
    
   
    
Evando dos Santos, pedreiro brasileiro, só foi alfabetizado aos 18 anos. Pegou gosto. Não parou mais de ler. Montou uma biblioteca pública por conta própria. E ajudou a fundar outras 36.




   
4 O homem-livroreportagem de Lina de Albuquerque para a revista BRASILEIROS, Dezembro 2009
            
                      
“Mas um clássico não é um cigarro da Souza Cruz?”
A bem da verdade, a pergunta não chegou a surpreender o primeiro e improvisado professor de literatura do pedreiro Evando dos Santos. Afinal, o aluno do esclarecido mestre de obras Dernival Pereira, sergipano como ele, tinha sido alfabetizado havia pouco tempo, aos 18 anos, na Escola Batista da Vista Alegre, zona norte do Rio de Janeiro. Devia ter uns 21 na época em que foi apresentado pelo colega sexagenário a uma outra, digamos, marca de clássicos. A conversa se deu em um raro momento de folga de uma reforma em um prédio da Avenida Brasil, no Rio de Janeiro.
          
“Não é só isso, meu filho”, contornou Dernival, piso-teando num toco de cigarro ainda em brasa. Em seguida, completou como se fosse um mestre de obras literárias: “Um clássico é um livro bem escrito, original, universal e que fica para sempre”.
Evando prestou atenção, entendeu mais ou menos, e voltou a trabalhar. Mas levou, emprestados, de Dernival alguns livros de autores clássicos. Entre eles, Machado de Assis, Lima Barreto e Pablo Neruda. Tempos mais tarde, lendo oito palavras de um livro do escritor Tobias Barreto de Meneses, também tomado emprestado de Dernival, ele se sentiu realmente tocado. “A vida é uma leitura. Ler é lutar”, escreveu Barreto, que também era filósofo, poeta e jurista − e ainda por cima sergipano! Daquela vez, Evando entendeu tudo.
Foi o mote que levaria Evando, anos mais tarde, a fundar sua primeira biblioteca. Não ficou nisso. O ex-pedreiro sergipano ajudou a criar outras 36 pelo país, incentivando e enviando livros. Foram 20 mil volumes para três Estados nordestinos. Até Angola, do outro lado do oceano, se viu contemplada. Essa história sensibilizou Oscar Niemeyer, que desenhou, de graça, o projeto da Associação Centro Cultural e Biblioteca Comunitária Tobias Barreto de Meneses, que Evando comanda hoje, aos 49 anos, na Vila da Penha, Rio de Janeiro.
Evidentemente, o nome da biblioteca tinha de ser uma homenagem ao escritor que abriu os horizontes do ex-pedreiro. Uma das teorias de Tobias Barreto − por sinal, o maior bibliófilo do Império − sustenta que a educação se baseia em imagens vistas em estampas impressas e em desenhos. Ora, isso confirmava aquilo que Evando sabia desde a infância em Aquidabã, pequena cidade do sertão sergipano. Por ter trocado as horas de estudos pelo trabalho na roça, não aprendeu a ler quando garoto, mas adorava imaginar o enredo por trás das imagens nas páginas dos livros de cordel. Evando foi um menino que não conheceu o pai e trabalhava com o avô, cortando junco para confeccionar travesseiros e colchões em que outros dormiam. Sua família era formada pela mãe, Zelita, e o avô, José Mestre. Dormiam todos numa esteira dura de taboa. Mal importava. Evando nunca foi de ficar deitado, nem mesmo nas horas de folga. Para ele não existia diversão melhor que desembestar em direção à feira da cidade para ouvir as histórias de cordel narradas por vendedores ambulantes de remédios e livros. Eram os chamados “propagandistas”.
“Eu escutava as histórias, gravava todas na memória, e depois pedia aos propagandistas para olhar as figuras de novo. Era como se já pudesse desvendar o significado do amontoado de letras”, lembra Evando.
Embora a sua cartilha tenha sido os Salmos, os primeiros livros que procurou para ler, ou “reler” de certa forma, foram mesmo os de cordel que marcaram sua infância. Evando nunca se esqueceu das fantásticas passagens contidas em títulos como O Gigante do Terror, Lampião no Inferno, O Boi Leitão. O fascínio era tamanho que chegou a ter em casa trezentas obras de cordel.
Desde que começou a ler, a vida de Evando passou a ser rodeada não apenas de clássicos e cordéis, mas de todo o tipo de livro. Na sua pequena casa na Vila da Penha, bairro carioca onde nasceu o jogador Romário, há livros por todos os cantos. Os móveis parecem servir apenas de suporte para as pilhas de volumes. Elas vão se acumulando pela sala, corredor, cozinha. Até o colchão, espremido no quarto que divide com a mulher, a professora Maria José, tornou-se um objeto, à primeira vista, fora de lugar.
Os livros não param de chegar desde o dia em que, 11 anos atrás, Evando saiu para consertar um vazamento e voltou para casa carregando cerca de 50 títulos que estavam sendo jogados fora pelo sujeito que o contratou. O sergipano tomou gosto. Passou a pedir outros livros para ler e depois distribuí-los a quem quisesse ou encontrasse pela rua.
Foi assim que a casa onde morava com a mulher e a mãe, que faleceu em julho, tornou-se uma biblioteca comunitária, com horários e regras bem diferentes. Ela jamais fechava – nem aos domingos. Muitos livros emprestados, nem precisavam ser devolvidos. “Se o leitor se encanta com uma obra a ponto de querer tanto, que fique com ela. A leitura cumpriu assim o seu papel”, filosofa.
Evando e suas ideias pouco convencionais já inspiraram dois curta-metragens (O Homem-livro, de Ana Azevedo, e O Pedreiro Literário, de Luiz Cláudio Lima) e até um romance do escritor e filósofo italiano Remo Rapino (Un Cortile di Parole, Carabba Editore, 2006). Sua trajetória também está presente entre os 26 depoimentos de viradas, reviravoltas e superações presentes no livro Recomeços (Editora Saraiva, 2009). Indicado pela escritora Nélida Piñon, Evando recebeu uma medalha da Academia Brasileira de Letras em reconhecimento à sua luta. Ele ainda ganhou, ao lado de outras dez personalidades − entre elas, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Dom Eugênio Sales e o seu próprio “benfeitor” Oscar Niemeyer −, o prêmio “Personalidade Cidadania 2009″, criado pela Unesco, Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e Folha Dirigida, em homenagem às conquistas sociais dos laureados.
Os livros de Evando, sua grande obsessão, estão sendo transferidos, dia a dia, para a Biblioteca Tobias Barreto de Meneses, para auxiliar na formação daqueles que, como ele no passado, tiveram pouco acesso à leitura. Já estão catalogados 1.500 dos 4.500 títulos disponíveis. A construção da biblioteca é um capítulo fundamental nessa odisseia tão grandiosa quanto inusitada, vivida por um pedreiro bibliófilo.
“Meu amigo está fazendo história”, diz o radialista João de Xerém, que o conheceu quando trabalhava em uma rádio comunitária, já fechada. “Nunca se ouviu dizer de um pedreiro capaz de construir um patrimônio cultural dessa relevância”, acrescenta o radialista, colaborador do programa de Adelson Alves, locutor da Rádio Ministério da Educação e Cultura.
A biblioteca está sendo organizada com o mesmo entusiasmo com que Evando, anos atrás, ligou para um programa de tevê para fazer um pedido ao vivo ao entrevistado da tarde. Sim, o arquiteto Oscar Niemeyer. Depois de ter pincelado a sua história à produção do MultiRio, da TV Bandeirantes, Evando perguntou a seco à Niemeyer:
- O senhor faria de graça um projeto para a minha biblioteca na Vila da Penha?
Impressionado, tanto pelo atrevimento como pelo que acabava de saber a respeito daquele operário das letras, o arquiteto respondeu:
- Eu faço isso por você. Na verdade, sempre tive um sonho de ver centenas de bibliotecas desse tipo espalhadas pelo Brasil.
Passaram-se quatro anos entre aquele primeiro contato e a realização da obra, inaugurada em dezembro de 2008. Embora assentada por um belo projeto, ela não deixa de refletir a distância entre idealismo e prática. Faltam verbas para tudo sair como o sonhado. A associação é mantida com doações(*) e parte da aposentadoria da mãe de Evando. Na fachada espelhada, há um comunicado escrito à mão, avisando que os banheiros estão quebrados. A chave sempre fica com Evando. Quando ele não está dando expediente, basta ligar para a sua casa e ele logo aparece, sempre disposto a atender quem quer que seja, como já fazia em sua casa – hoje, um informal prolongamento administrativo da biblioteca.
“Num país com um índice de leitura tão baixo, é impressionante ainda existir heróis assim”, ressalta a professora Sônia Izoton, dona de um tradicional colégio na Vila da Penha, o Jardim Escola Pequeno Torcedor. Ela costuma participar, com outros professores e alunos, dos “arrastões literários” que Evando promove de tempos em tempos, distribuindo livros pela cidade. Nessas ocasiões, o ex-pedreiro aparece paramentado de “homem-livro”. O traje, de cartolina, tem frases de grandes escritores. Evando talvez exagere em seu apreço pelos livros, quando afirma que são os filhos que não teve. Mas não seria nenhum exagero concluir que essa é daquelas histórias que superam, de longe, qualquer ficção. E mais: tal como os clássicos, não pode ser esquecida.


(*) Associação Centro Cultural e Biblioteca
Comunitária Tobias Barrrretto
Banco Itaú – Agência 0782 – CC 78892-1
          

TIJOLO POR TIJOLO - Sua primeira biblioteca começou com 50 livros que seriam jogados no lixo. Ele recolheu                    
           

► Entrevista a Evando dos Santos para o Museu da Pessoa:
            

"O pedreiro da literatura" 

Conheça a história de Evando dos Santos, um sergipano radicado no Rio de Janeiro que transformou a paixão pela leitura numa biblioteca comunitária com 40 mil livros.
Trabalhando como pedreiro, Evando dos Santos, um sergipano radicado no Rio de Janeiro, ajudou a construir muitas casas. Por muitos e muitos anos, essa foi sua rotina de vida. Apaixonado pela literatura, em certo dia, Evando viu sua vida dar uma guinada quando ia ao trabalho. Naquele dia, ao deparar com uma pilha de livros em cima do balcão de uma loja, Evando teve a idéia de iniciar outro tipo de construção: a de uma biblioteca. Foi assim que surgiu a Biblioteca Comunitária Tobias Barreto de Menezes, no bairro Vila da Penha, na capital do Rio de Janeiro. Segundo ele, nela o lema é dizer sim à cultura e não à burocracia. Lá, o usuário pode pegar quantos livros quiser e devolvê-los quando bem entender. Caso não devolva algum, não há problema: se ficou com ele é porque gostou, e isso é um bom sinal.
Fundada em 1998 com apenas 50 livros, a biblioteca conta hoje com um acervo de 40 mil exemplares. Para chegar a esse número, as dificuldades enfrentadas foram grandes. Muitos livros foram transportados por Evando de ônibus, sob o escaldante sol carioca. Além disso, o fundador da biblioteca teve de superar mais um problema, o preconceito. “As pessoas acham que sou desqualificado para lidar com livros porque tenho um ‘intelecto não lapidado’, ou seja, não sei escrever”. Mas a palavra desanimar não faz parte do vocabulário de Evando. Apesar das dificuldades, ele conseguiu montar e expandir a biblioteca em um curto espaço de tempo e conquistou o apoio de gente importante, como Oscar Niemeyer, que, sensibilizado com a história de Evando, deu-lhe de presente o projeto arquitetônico da nova biblioteca, que deverá ser construída em breve.
Em entrevista exclusiva ao portal, Evando fala sobre como surgiu a idéia de montar a biblioteca, as dificuldades encontradas e os planos para o futuro.
Quando e como surgiu seu interesse por livros?
Esse interesse começou na época em que eu morava em Sergipe, quando vi cordel na feira de Aquidabã. Vindo para o Rio de Janeiro, tornei-me membro da Igreja Batista, em Vista Alegre, e foi o pastor José Evangelista de Oliveira quem praticamente me ensinou a ler, na Bíblia. Foi a partir desse episódio que comecei a gostar de livros. Logo em seguida, fui trabalhar como pedreiro na Vila do João, no Rio de Janeiro, e lá encontrei Dernival Pereira Santos, que também era pedreiro. Então, ele me apresentou grandes autores — como Tobias Barreto, Lima Barreto, Machado de Assis, Shakespeare, Pablo Neruda, Sílvio Romero —, e eu me interessei mais por Tobias e Lima Barreto. Quando fundamos a biblioteca, no dia 17 de julho de 1998, escolhemos Tobias Barreto para ser o patrono dela por acharmos que ele é o maior escritor brasileiro.
Como surgiu a idéia de montar a biblioteca?
Eu já tinha lido diversos livros, gostava muito de ler e comprava alguns. Em 1998, fui consertar um vazamento. Eu havia descido do ônibus na Avenida Braz de Pina, depois do Hospital Getúlio Vargas, quando deparei com uma loja onde havia 50 livros em cima do balcão. Entrei no estabelecimento e perguntei ao proprietário se ele iria montar um sebo. Ele respondeu que não e disse que ia doar aqueles livros. Então, peguei os livros, coloquei-os dentro de um saco e fui consertar o vazamento. Entre eles, estavam História do Brasil, de Pedro Calmon, Os Titãs, em dez volumes, e Os Sertões, de Euclides da Cunha. Voltei para casa e, quando coloquei os livros na sala, ocorreu-me que o Rio de Janeiro tinha, na época, 23 bibliotecas municipais e quatro estaduais. Até aí, estava tudo bem. O problema é que existe uma “burrocracia” em torno do livro; as pessoas acham que ele é propriedade delas. Então, Deus me inspirou a fazer uma biblioteca sem burocracia, onde o usuário emprestasse o livro e, se não quisesse devolvê-lo, isso seria motivo de festa e não de tristeza, porque o livro foi feito para circular. Abrimos esse espaço com 50 obras; hoje temos 40 mil. E quem levou o livro e não devolveu fez muito bem; isso é sinal de que gostou. Esta é a filosofia da Biblioteca Tobias Barreto: não à burocracia e sim à cultura.
Quais foram as principais dificuldades que você encontrou para montar a biblioteca?
Eu não acredito na palavra analfabeto: uma vez que a primeira manifestação do indivíduo quando vem ao mundo é o choro, nesse momento, a pessoa usa várias letras do alfabeto sem conhecer. Isto é, não existe analfabeto, o que existe é “intelecto não lapidado”. É preciso lapidar o próprio intelecto, aprender a desenhar as letras, formar as palavras, o que é o começo desse processo. A maior dificuldade que enfrentei foi o fato de ser um “intelecto não lapidado”: não tenho diploma e, de antemão, não tenho afinidade. Ou seja, as pessoas me rotulam de desqualificado para lidar com livros. Considero-me uma pessoa que vence os obstáculos — não sei escrever, só sei ler, mas, aqui, faço boletins, folhetos culturais, etc. E tenho até mesmo um projeto em mente, que se chama “Adote um Poeta”. Imagine se cada pai de família adotasse um poeta e o apresentasse a seu filho? Por isso, o slogan do nosso folheto cultural deste mês é: “Adote um poeta. Não deixe a poesia da sua pátria ficar no esquecimento”. E vou distribuí-lo na rua.
Você se incomoda com esse tipo de preconceito?
As pessoas até podem me discriminar, mas, como diria o poeta, “Eu sei que nada sei, mas uma coisa eu sei: só o livro é capaz de acabar com as desigualdades na Terra. Sem ele, não se chega a lugar nenhum”. Não me preocupo quando alguém me rotula de analfabeto; eu me intitulo “intelecto não lapidado” porque não tenho diploma. Mas lapido meu intelecto por meio dos livros. Costumo ler de 10 a 12 livros por mês. Mas é importante a pessoa “sentir” o livro. Eu tenho uma receita para quem quer aprender a ler e ter na mente uma boa leitura. Se você não leu Triste Fim de Policarpo Quaresma, não conhece o Brasil. Se não conheceu Emília no País da Gramática e da Aritmética, de Monteiro Lobato, é um fracasso em português. Se não leu O Alienista, de Machado de Assis, falta muita coisa a você, e se nunca leu Menores e Loucos em Direito Criminal, de Tobias Barreto, não conhece o Brasil juridicamente e o comportamento do menor e do povo brasileiro na época de 1876, durante o império de D. Pedro II. O grande problema do Brasil é que ele anda para trás e não progride, e a falta de leitura contribui muito para essa situação. Por isso, tivemos a idéia de colocar livros na cesta básica para que o trabalhador levasse para casa a coisa mais preciosa: o conhecimento. Apareceu uma pessoa ligada ao governo de Lula dizendo que essa idéia lhe pertencia, mas ela já está registrada em cartório e me veio à mente desde que se começou a distribuir cestas básicas. Já imaginou se ela se concretizasse? O governo fazendo uma parceria com as editoras para publicar livros a preço de custo? Todo mês, um livro diferente, começando pelos de poesia. Essas são idéias para melhorar a disseminação do livro em nosso país e que gostaria muito que nosso governo colocasse em prática.
De que maneira o acervo foi sendo montado?
Nós começamos da seguinte forma: eu liguei para o jornal O Dia e, uma semana depois, a jornalista fez uma matéria comigo. Em seguida, fiz o folheto cultural para distribuir nas ruas. Participei do programa “Boca Livre”, na rádio Bandeirantes do Rio de Janeiro, e nesse dia ganhamos 1.012 livros. Então, a biblioteca começou a “decolar”. Depois disso, veio a televisão. A TV Bandeirantes foi a primeira emissora a fazer uma matéria na biblioteca e veiculá-la em rede nacional. Em seguida, vieram a Globo, o RJ TV, e até mesmo ao Programa do Jô eu fui. Do acervo de 40 mil livros que temos hoje, 4 mil fui buscar de ônibus. Já estive em todos os lugares do Rio de Janeiro atrás de livros, carregando sempre um saco e, às vezes, tomando até quatro conduções.
Que tipo de livro se encontra na Biblioteca Comunitária?
Ela tem livros que não existem sequer na Biblioteca Nacional. Por exemplo: uma gramática da língua bunda, que era muito falada pelos escravos vindos da África no início do século, e um livro com capa feita de pele de carneiro, de 1700. Nela, existem enormes pilhas de livros — porque não há estantes para guardá-los —, que são divididas por assunto — como Matemática, História e Geografia — e têm sua respectiva plaquinha de indicação. As pessoas vão até as pilhas e escolhem o que precisam. Algumas levam até 50 livros para estudar em casa, pois não há restrições quanto à quantidade. As palavras não poderoubo e não devolveu não existem na Biblioteca Comunitária Tobias Barreto de Menezes. E quanto à gramática da língua bunda, que é raríssima, fiz um xerox dela para evitar problemas.
Quantas pessoas a biblioteca costuma receber por dia?
Graças a Deus, recebe de oito a dez pessoas, às vezes até quinze por dia. É a única do Brasil que funciona de domingo a domingo, das 6h da manhã às 11h da noite.
Como você vê o sistema bibliotecário do Brasil atualmente?
Eu me considero um amante da Biblioteconomia. Queria ser um bibliotecário formado, mas não tenho mais tempo para isso. Considero essa profissão interessante, só acho que existe muita burocracia nela. Os profissionais precisam aprender com quem faz, ou seja, o curso de Biblioteconomia deveria levar os amantes dos livros para falarem na universidade, tanto na USP como aqui no Rio de Janeiro. Já fiz uma palestra na Faculdade de Biblioteconomia do Rio de Janeiro, onde fui tratado de maneira magnífica. Claro que há grandes professores no curso; entretanto, o que atrapalha é a burocracia. Há aquele “empastelamento do saber”, e isso não leva ninguém a lugar nenhum. No ano passado, participei do 2.º Congresso de Biblioteconomia da Universidade de São Carlos (SP) como palestrante.
Que tipo de público freqüenta a biblioteca?
Todos os tipos, pessoas de 5 a 80 anos de idade. Às vezes, as mães vão com o filho no carrinho; outras pessoas, com o cachorro, porque ela é uma biblioteca viva, que não é bonita por fora e cheia de ossos e burocracia por dentro. Ela é feia por fora e bonita por dentro porque livro é vida.
Quais são os planos para o futuro?
Temos uma filosofia: incentivar a abertura de novas bibliotecas como a nossa. E até mesmo já ajudamos a fundar 18 bibliotecas nos mesmos moldes. Enviamos cinco mil livros à cidade de Santa Inês, no Maranhão, graças ao jornal Extra, do Rio de Janeiro, à TVE e à TV Itapemirim, que nos ajudaram. Foi a maior aventura livresca da biblioteca até agora. Há livros nossos em outros estados. Para se ter uma idéia, recebemos um pedido de 500 livros de uma cidade da Bahia. O problema é que não temos apoio, precisamos de uma parceria, alguém que nos ajude a levar os livros até lá, uma transportadora talvez, mas, infelizmente, ainda não conseguimos. A idéia da biblioteca é não ficar entre quatro paredes: todo mês, ela vai para a rua por meio de um folheto cultural que sempre tem um assunto diferente. Nós produzimos a história da Vila da Penha por intermédio dos moradores, e esse livro — que possui 119 páginas e 45 fotografias — vai ser editado pela universidade da cidade e é a primeira obra brasileira que foi escrita por pessoas comuns.
Como você conseguiu o apoio de uma figura tão importante da arquitetura brasileira como Oscar Niemeyer?
Eu costumo dizer que não fui eu que consegui, foi Jesus. Um dia, cheguei em casa às 13h e liguei a televisão na Rede Bandeirantes. Exatamente naquela hora, Oscar Niemeyer estava participando de um programa em que apareciam na tela um telefone e a frase: “Ligue e faça sua pergunta ao professor Niemeyer”. Eu anotei rapidamente o número e liguei. A moça da produção atendeu, e contei minha história para ela. Então, ela me disse para falar diretamente com ele, com o programa no ar. Eu pedi a ele um projeto, e ele respondeu que eu o procurasse quando tivesse o terreno. Logo depois, liguei para a fundação: Analucia Niemeyer me atendeu e me levou até o gênio que é o avô dela. Eu fiquei nervoso quando estava ao lado do homem mais importante do Brasil, que, na minha opinião, não é Pelé, mas Oscar Niemeyer, que é um gênio. Ele fez as obras mais importantes do século passado e do início deste. Então, ele nos entregou o projeto, o que muito nos orgulhou. O ministro da Cultura da época esteve aqui antes de sair, prometendo ajuda. O projeto foi aprovado: custará 414 mil reais, e precisamos fazer uma parceria. O empresário que doar essa verba poderá descontá-la do imposto de renda, mas não conseguimos nenhum até agora, e o prazo termina em dezembro. Não vamos desistir, pois temos o projeto de um gênio e, nele, além da sala da biblioteca, consta a primeira faculdade comunitária, que terá professores aposentados e o curso de Letras Machado de Assis, no qual serão estudados língua bunda, tupi-guarani, latim, espanhol e alemão.
Quais são seus autores favoritos?
O primeiro deles é Tobias Barreto, que introduziu o Condorismo na poesia brasileira, foi o primeiro homem a falar e escrever em alemão no Brasil e criou a escola de Direito do Recife, da qual saíram Sílvio Romero, Clóvis Beviláqua e Graça Aranha. Este último foi aluno de Tobias na escola de Recife aos 12 anos. Antes de morrer, Graça Aranha disse que tudo o que sabia devia a Tobias. Para mim, ler Tobias é progredir, e não ler é regredir. Ele também foi o primeiro a introduzir a literatura comparada na literatura brasileira, assim como o darwinismo no direito brasileiro. Um de seus alunos, Clóvis Beviláqua, elaborou o Código Civil que foi promulgado em 1.º de janeiro de 1917 e usamos até hoje. Ele foi modificado recentemente, e um discípulo de Tobias, um gênio chamado Miguel Reale, participou dessa tarefa. Tobias é o maior escritor brasileiro. Castro Alves foi aluno dele e, quando chegou à Universidade de Recife, Tobias já era um poeta conhecido nessa cidade. Também sou um admirador do Romantismo. Para mim, o maior romancista é Lima Barreto; e o maior historiador, Sílvio Romero, que foi aluno de Tobias e escreveu a primeira história da literatura brasileira. Outro autor que admiro muito é Manoel Bonfim, que escreveu América Latina. Nesse livro, ele diz que o colonizador português foi um parasita e que o negro africano que aqui chegou construiu tudo o que aí está. E ele comprovou antropologicamente a força do negro. Esses são, na minha opinião, os maiores autores brasileiros.
Por Guilherme Prendin
     
                         
                            
Óbidos, 2015

      

          [Post original: http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2010/09/13/biblioteca.aspx]
Enviar um comentário