domingo, 7 de outubro de 2012

TESE E ANTÍTESE (Antero de Quental)

  
ANTERO DE QUENTAL, por Rui Rodrigues de Sousa

          
     TESE E ANTÍTESE
    
     I
    
     Já não sei o que vale a nova ideia,
     Quando a vejo nas ruas desgrenhada,
     Torva no aspeto, à luz da barricada,
     Como bacante após lúbrica ceia!
     
     Sanguinolento o olhar se lhe incendeia…
     Respira fumo e fogo embriagada…
     A deusa de alma vasta e sossegada
     Ei-la presa das fúrias de Medeia!
     
     Um século irritado e truculento 
     Chama à epilepsia pensamento, 
     Verbo ao estampido de pelouro e obus...
     
     Mas a ideia é num mundo inalterável, 
     Num cristalino céu, que vive estável... 
     Tu, pensamento, não és fogo, és luz!
       
(entre 1865 e 1871)

     II
     
     Num céu intemerato e cristalino
     Pode habitar talvez um Deus distante,
     Vendo passar em sonho cambiante
     O Ser, como espetáculo divino.
     
     Mas o homem, na terra onde o destino
     O lançou, vive e agita-se incessante…
     Enche o ar da terra o seu pulmão possante...
     Cá da terra blasfema ou ergue um hino...
     
     A ideia encarna em peitos que palpitam:
     O seu pulsar são chamas que crepitam,
     Paixões ardentes como vivos sóis!
     
     Combatei pois na terra árida e bruta, 
     ‘Té que a revolva o remoinhar da luta, 
     ‘Té que a fecunde o sangue dos heróis!
          
(1870)
Antero de Quental [Livro Segundo]
            
           
TEXTOS DE APOIO / LINHAS DE LEITURA
         
Tese e Antítese – são sonetos de inspiração hegeliana no título e no 2º e 3º versos da 2ª quadra de Antítese, mas também está presente a sugestão de Proudhon  na luta do homem por um mundo melhor, embora, aqui, desvirtuada. Em Tese aponta para um socialismo pacífico, em Antítese para o revolucionário. Na verdade, a poesia é a voz da revolução.
O sentido contraditório do título justifica-se no comportamento errado do homem, quanto aos meios de que se serve para implantar a Ideia que, no seu aspeto sublime, não está de acordo com os desmandos que os homens praticam com um rótulo que falsificam. O homem luta, esbraveja, comete torpidades com a fúria de Medeia; mas a referida Ideia quer denodo, paixão, entusiasmo, mas não fúria; quer acordes de hino, não blasfémias de malditos. Em sonetos como estes estamos perante Antero apolíneo, olímpico.
          
Literatura Prática (sécs. XIX-XX) 11º Ano, Lilaz Carriço, Porto Ed., 1986 (4ª ed.), pp. 194-195.
          
*
          
Antero exprime, mais uma vez, a lição hegeliana, denunciada até na terminologia ‑Tese e Antítese ‑ e no tema fundamental: o Ser passa como espetáculo divino a um Deus distante. Mas, talvez contraditoriamente, exprime-se no segundo soneto o otimismo social, confiança na felicidade futura, num mundo novo: influência do pensamento utópico de Proudhon que defende a teoria do aperfeiçoamento autónomo e inevitável da sociedade. ‑Cf. Feliciano Ramos (Antero de Quental na Poesia Filosófica, Vila do Conde, 1936, pág. 67): «A crença robusta num sistema de «Ideias» de paz, de fraternidade e de justiça, e a confiança no seu triunfo progressivo e indiscutível, anima calorosamente o apostolado social de Proudhon e inspira o idealismo anteriano referente ao acabamento da opressão, da miséria e do crime.»
Repare-se que Antero designa por Ideia «as crenças metafisicas que aspiravam a influir decisivamente na marcha social». (Cf. Joaquim de Carvalho, ob. cit., pág. 26). ‑Atente-se ainda como, no primeiro soneto, Antero repele toda a imagem de violência, para reafirmar a sua adesão ao mundo inalterável da Ideia, identificado religiosamente ao cristalino Céu. Para António Sérgio (Antero de Quental, Sonetos, Lisboa [1967], pág. 63), é o seguinte o problema destes dois sonetos: «Competirá ao apóstolo o ser também político?» ‑ Para Sant'Anna Dionísio (Antero ‑ Algumas Notas sobre o seu Drama e a sua Cultura, Lisboa, 1934, pág. 174), «a intenção do segundo soneto (Antítese) é (...) mostrar que as lutas que no primeiro (Tese) pareciam torpes, não são, de facto, inúteis; que são mesmo necessárias, porque, embora o pensamento não seja fogo, mas luz, ele só pode realizar-se e inserir-se na "terra árida e bruta", encarnando no peito fremente dos homens».
vv. 2-8. Notar o processo retórico: a personificação da «nova ideia» por meio da comparação com figuras mitológicas.
vv. 9-11. Notar a oposição com os vs. 12-13.
vv. 13-14. Notar que o soneto conclui por uma afirmação que se opõe à dúvida inicial e que é intensificada pelo paralelismo fónico e semântico.
v. 15 e segs. Notar que o soneto se define pela oposição: «Num céu» / «na terra», ou «espetáculo divino» / «espetáculo humano».
vv. 21-28. O espetáculo humano caracteriza-se pela «luta», que é vida e morte gloriosa, não já do indivíduo mas de todos os que combatem pela Ideia.
          
[Note-se que] no Livro Segundo, inclui o poeta as poesias combativas, de sátira às instituições, de protesto contra a sociedade, e de previsão das catástrofes necessárias «ante o altar encoberto do Futuro».
          
Maria Ema Tarracha Ferreira, Antologia Literária Comentada. Século XIX. Do Romantismo ao Realismo. Poesia, Lisboa, Editora Ulisseia, 1985, 2ª edição.
          
          
*
          
Ainda sobre a ideia de Tese e Antítese e sua combinação na respetiva Síntese, lembremos que nos últimos dos seus escritos em prosa Antero apresenta a doutrina que esboça como síntese de dois termos antitéticos: materialismo e idealismo. A filosofia da natureza dos naturalistas tem este período: "Matéria e espírito, determinismo e liberdade não são ideias contraditórias senão na aparência: de facto, são só duas esferas diferentes de compreensão, tese e antítese, cuja síntese é a Razão"; e termina pelo seguinte: "se a conclusão final das ciências tem de ser, como creio, o mecanismo universal a conclusão final do pensamento metafisico tem por seu lado de ser o universal idealismo. Mas já hoje se começa a compreender que entre estes dois termos não há contradição essencial, e que esta tese e antítese é redutível a uma síntese, que satisfaça plenamente tanto a ciência como a especulação. Essa síntese, em que o idealismo aparecerá como complemento necessário do mecanismo, já hoje se deixa antever; e creio que nem a todos parecerá temeridade e paradoxo concebê-la, como eu a concebo nem idealista nem materialista no antigo e mais usual sentido das palavras, mas, num sentido novo e mais profundo, como materialista e idealista.
          
António Sérgio, in Sonetos de Antero de Quental, Lisboa, Livraria Sá da Costa, 1984 (7ª ed.)
          
          
*
          
A dialética tem uma extensa tradição que vai até Platão. Mas no caso de Hegel a dialética é tão importante que dá nome à sua filosofia: a filosofia dialética.
A dialética expressa, pela sua parte, a contradição do mundo existente e, por outra, a necessidade de superar os limites presentes com o propósito de uma realização total e efetiva da liberdade e da infinidade.
A realidade, enquanto dialética, está submetida a um processo, é regida e movida pela contradição, encontra-se internamente relacionada (é inter-relacional) e é constituída como oposição de contrários.
Assim, cada realidade remete para a totalidade, para o todo, e só pode ser compreendida e explicada em relação ao todo. Por isso Hegel expressa isto de modo breve e preciso na seguinte frase: "O verdadeiro é o todo."
Devido a esta redução do ser ao pensar, a filosofia de Hegel, já idealista, converte-se num idealismo absoluto. No fim de contas não se trata tanto da redução do ser ao pensar como da interpretação do real, do ser, como ideia ou razão. "Todo o real é racional", é outra frase de Hegel."
[…]
O sistema filosófico de Hegel pode dividir-se em três partes: lógica, filosofia da natureza e filosofia do espírito.
A lógica estuda o 'desenvolvimento das noções universais das determinações do pensamento, que são o fundamento de toda a existência natural e espiritual e que constituem a evolução lógica do absoluto. […] Hegel identifica o real e o racional, o ser e o pensamento, que se apoiam num princípio único e universal: a ideia.
Do desenvolvimento da ideia resultam todas as determinações do ser. A ciência estuda este desenvolvimento e a lógica determina as suas leis, que são a contradição e a conciliação dos contrários. Toda a ideia tem três momentos: primeiro apresenta-se (a tese); opõe-se a si mesma (a antítese); e, finalmente, regressa a si mesma conciliando tese e antítese (a síntese). O objeto da filosofia da natureza é continuar este desenvolvimento do mundo real exterior à ideia.
          
Didacta, Enciclopédia temática ilustrada, Vol. Arte e Filosofia, F. G. P. Editor, 1997.
          
         
 
          
          
QUESTIONÁRIO INTERPRETATIVO
         
1. Estes dois sonetos opõem-se, mas completam-se também. De que modo é que os títulos contribuem para esse duplo efeito?
2. "Tese" e "antítese" são dois termos que lembram de imediato as filosofias de Kant e Hegel. Mas a contraposição ou antinomia que implicam não será também afim do diálogo teatral entre personagens que ocupam posições distintas?
3. A religião e a revolução são campos de sentido que os sonetos atravessam. De que modos?
4. A "ideia" parece ser o símbolo central a ambos os poemas, sob duas formas distintas. Há ou não sugestão de uma tomada de partido por parte do "eu" que os assina?  
Cadernos de Literatura. Português A. 12º Ano. Caderno do Aluno
 
Cristina Duarte, Fátima Rodrigues e Mª de Sousa Tavares, Amadora, Raiz Editora, 1995
             
5. O questionário que se segue diz respeito ao segundo soneto de «Tese e Antítese» de Antero de Quental.
5.1. Pronuncie-se acerca da relação Homem/Deus, tal como a entende o sujeito poético.
5.2. Divida o soneto em duas partes lógicas, justificando a divisão efetuada.
5.3. Caracterize o destinatário da mensagem poética, comprovando a resposta com citações.
5.4. "O seu pulsar são chamas que crepitam,/Paixões ardentes como vivos sóis".
‑ Comente a expressividade das metáforas e da comparação.
5.5. Explicite a relação sujeito poético/destinatário da mensagem poética.
5.6. Indique dois recursos linguísticos e/ou estilísticos de que se serve o sujeito poético para enfatizar a sua mensagem, exemplificando-os.
5.7. Tendo em conta a divisão proposta por António Sérgio, identifique a faceta em que se incluirá este soneto, explicando-a.

SUGESTÕES DE LEITURA
        

[Post original: http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2012/10/07/tese.antitese.aspx]
Enviar um comentário