sexta-feira, 6 de setembro de 2013

NESTA PRAIA, AMIGAS, DE ONDE P’RÁS CRUZADAS (Natália Correia)


XVIII - DIGADES, FILHA, MHA FILHA VELIDA - Pero Meogo, Antonio García Patiño

                  
                 
CANTIGAS DE AMIGO

QUEIXAM-SE AS NOVAS AMIGAS EM VELHOS CANTARES DE AMIGO

I
               
Nesta praia, amigas, de onde p’rás cruzadas
Foram matar mouros nossos lidadores
Com cantares de amigo chamamos as barcas
Que à lide levaram os nossos amores.
          Vão e vêm as ondas. Pelas mesmas águas
          Discorrem idades. Não mudam as dores.

Com velhos cantares que por estas matas
Fizemos quando eles inda eram pastores,
Chamemos as naus, pois que ora são nautas
Que à Índia levaram os nossos amores.
          Mudadas em naus as lenhas das matas
          Mudaram o mundo. Não mudam as dores.

Neste cais de prantos de onde eles em armas
Foram matar pretos pelos seus senhores
Com cantares chamemos as frotas iradas
Que à guerra levaram os nossos amores.
          Vêm os soldados e foram-se as Áfricas,
          São outras as guerras. Não mudam as dores.

Com cantares que cheguem às nuvens mais altas
De onde lançam bombas os aviadores
Chamemos as barcas que ganhando asas
Pró inferno levam os nossos amores.
          Mudaram-se as armas que em ímpias fornalhas
          Mudam as cidades. Não mudam as dores.
               
Natália Correia, “Inéditos posteriores a 1990” in O sol nas noites e o luar nos dias II, s/l, Círculo de Leitores, 1993
               
               
O gosto da matriz medieval não é, em Natália Correia, um despertar recente. A semelhança de outros poetas do século XX (como, por exemplo, Eugénio de Andrade, Manuel Alegre ou Reinaldo Ferreira), o ritmo da cantiga de amigo e a obsidiante e irremediável sugestão de ausência que ela detém mantiveram-se em latente espera na sua fala poética, como uma sombra e como um desejo, como sinal de uma relação poética subjacente - uma espécie de fio hereditário, genealógico, a prendê-la a "Denís Rey". Assim o confessa noutro inconfundível e esclarecedor umbral dos seus Poemas de 1955:
Sou filha de marinheiros
Pelo mar que também quis,
Pela linha da poesia
Sou neta de D. Dinis.
Aquilo que nunca fiz
É a minha bastardia.
               
Maria do Carmo Castelo Branco de Sequeira, Lugares da Poesia em Natália Correia” 
iNatália Correia 10 anos depoisFaculdade de Letras da Universidade do Porto, 2003
               
               
Natália Correia, autora de uma obra proteiforme, foi uma das poetisas que enveredaram pelas sendas poéticas do Surrealismo, tendo conseguido, porém, aliar os códigos surrealistas à lírica cancioneiril. Ela própria justifica a sua revisitação consciente e constante dos topoi trovadorescos: por um lado, em função da apologia da unidade ibérica, que a autora enceta (e que postulará sobretudo em Somos Todos Hispanos (1988)); por outro lado, um dos fatores que a aproximam mais visivelmente da lírica medieval é a sua conceção matrista. Natália Correia defende que o feminino é a via salvífica do humano, apontando-lhe os caminhos do Amor. O amor expresso na lírica trovadoresca emblematiza essa regeneração possível do humano através da apologia do feminino primordial:
«O amor é pois a possibilidade feminina do destino glorioso do homem. […] O amor trovadoresco não exprime um ajustamento da realidade e do conceito do amor e do amar, mas é um conceito que quer operar sobre a realidade, transformá-la, ou seja, converter a situação passiva da mulher em princípio ativo, a mulher que inspira o amor que integra a personalidade do homem, a fim de que este reconquiste a sua natureza una, perdida na pluralidade que o escraviza à autoridade desnaturante.» (Natália Correia, Cantares dos Trovadores Galego-Portugueses, 2ª edição, Lisboa: Estampa, 1978, pp. 21, 27)
                 
Assim, Natália Correia encontra, na lírica trovadoresca, um universo, onde a mulher é sublimada e, através do seu amor, oblitera a negatividade dos efeitos patristas, como a intolerância, o autoritarismo, a visão do feminino como fonte de pecado, etc.1
Um dos seus muitos poemas, marcados por uma feição neotrovadoresca, “Nesta praia, amigas, de onde p’rás cruzadas”, pertence ao primeiro ciclo lírico, que a autora intitula “Queixam-se as novas amigas em velhos cantares de amigo”, incluído num conjunto macrotextual de reescritas trovadorescas a que Natália Correia chamou «Cantigas de Amigo».
O poema é constituído por quatro coblas de seis versos, sendo o dístico final uma espécie de refrão com variação. Verifica-se, ao longo da composição poética, uma estrutura paralelística, fazendo coincidir a primeira cobla com a terceira e a segunda com a quarta cobla. Ao nível temático, é percetível uma espécie de metamorfose do tema da ausência do amigo que partiu para o fossado2 e a situação comunicativa dadona virgo que se dirige às amigas. Logo no início da primeira cobla, encontramos um preâmbulo, característico das cantigas de amigo, que deixa claro o fio argumental da composição poética: em primeiro lugar, apresenta a localização topográfica – “Nesta praia” – (aliada a outros lexemas de conotação marinha, como “barcas”, “ondas”, “águas”, “cais”…), onde a amiga espera o regresso do seu amor, compondo uma cenografia característica das barcarolas ou marinhas; em segundo lugar, explicita o modelo enunciativo do poema: a amiga dirige o seu lamento às amigas, que, ao que parece, padecem do mesmo infortúnio; por fim, ficamos a conhecer ab initio o motivo da sua “queixa” que é a ausência do amigo, devido à imposição das guerras de cruzada.
É interessante sublinhar que, de estrofe para estrofe, há uma gradatioatualizadora do motivo da separação dos namorados: na primeira estrofe, os amigos foram para as cruzadas (…“p’rás cruzadas / Foram matar mouros nossos lidadores”); na segunda, deixam a terra e as amigas para ir em busca da Índia; na terceira, partem para a guerra, na tentativa vã de preservar as colónias africanas (“Foram matar pretos pelos seus senhores”) e, por último, para os conflitos bélicos e para a tecnologia apocalíptica que colocam ao seu serviço. A amiga, com um tom inequivocamente disfórico, denuncia assim os sucessivos abandonos, todos eles por motivos destrutivos, mostrando a submissão do homem a Thánatos (“matar mouros”, “matar pretos”, “ímpias fornalhas”), génio alado maligno (e masculino) que representa a Morte e a Destruição, ao passo que se sobreleva o papel feminino que, com os seus cantares, exorta os amigos a renderem-se aos encantos vitalistas de Eros.
Desta forma, o lamento da donzela enamorada não é mais que o eco de uma dor intemporal, que se converte no fatum feminino, uma vez que é sempre a mulher abandonada, é sempre a mulher que espera pelo amigo, é sempre a mulher a ser deixada na mais infecunda expectativa. A flutuação fraseológica do refrão reflete exatamente o facto de o tempo passar de forma incoercível, mas de que algo permanece inalterável: as dores não mudam, mas magnificam-se e perenizam-se.
Assim, esta cantiga de amigo é um exemplo eloquente da mestria com que Natália Correia recuperou a herança trovadoresca, usando velhos temas e formas para exprimir novas condições do homem face ao devir da História.
             
“A herança cancioneiril no Imagismo e no Surrealismo” in Un Chant Novel: A inspiração (neo)trovadoresca na poética de Jorge de Sena, Sílvia Marisa dos Santos Almeida CunhaUniversidade de Aveiro- Departamento de Línguas e Culturas, 2008, pp. 40-43)
            
       
______________________
(1) Natália Correia parece desconsiderar o facto de que a lírica trovadoresca é homossocial, como refere Paulo Alexandre Pereira: «Natália Correia submete os textos galego-portugueses a um crivo hermenêutico que remete para a penumbra o facto, sublinhado à saciedade pela crítica mais recente, de que a lírica trovadoresca é, por definição, essencialmente homossocial, isto é, um assunto de homens, mesmo quando (e sobretudo se) se fala de mulheres. (Paulo Alexandre Pereira, “Uma «arqueologia produtiva»: Natália Correia e a tradição trovadoresca”, in FERREIRA, António Manuel (coord.), Presenças de RégioActas do 8º Encontro de Estudos Portugueses, Aveiro: Universidade de Aveiro, 2002, p. 115)
(2) É de realçar a originalidade com que Natália Correia atualiza o campo sémico bélico, criando verdadeiras telas vanguardistas, onde pontifica o contraste violento entre os cenários presentes (o “matar mouros” nas lides, o “matar pretos” nas Áfricas, o inferno, causado pelas armas que transformam as cidades em “ímpias fornalhas”) com os cenários idílicos convencionais, característicos das cantigas trovadorescas.
               
            
PODERÁ TAMBÉM GOSTAR DE LER:
      
 Poesia trovadoresca galego-portuguesa: síntese didática
 Cantigas medievais galego-portuguesas – projeto Littera: a presente base de dados disponibiliza, aos investigadores e ao público em geral, a totalidade das cantigas medievais presentes nos cancioneiros galego-portugueses, as respetivas imagens dos manuscritos e ainda a música (quer a medieval, quer as versões ou composições originais contemporâneas que tomam como ponto de partida os textos das cantigas medievais).
 A literatura como arma contra a ditadura e a guerra colonial
   
                     

[Post original: http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2013/09/06/nesta.praia.amigas.de.onde.pras.cruzadas.aspx]
Enviar um comentário