quinta-feira, 28 de abril de 2016

A Poesia não tem Grades


Intervenção artística em ambiente prisional.

“A Poesia não tem grades” existe desde 2003 e é uma iniciativa coordenada por Filipe Lopes, apoiada pelo Grupo O Contador de Histórias e pela CULTIV – Associação de Ideias para a Cultura e Cidadania. Tem vindo a desenvolver sessões de promoção da leitura junto dos reclusos com o objetivo de promover a experimentação artística e assim contribuir para o desenvolvimento intelectual e pessoal daquela população. É considerado de relevante interesse pela Direção Geral de Reinserção e dos Serviços Prisionais e tem merecido a aceitação e a participação empenhada dos reclusos. Foi apoiado financeiramente pela atual Direção Geral do Livro e das Bibliotecas nas primeiras edições, sendo posteriormente um trabalho realizado de forma inteiramente voluntária, com todos os custos suportados pela estrutura. Em 2013, foi adicionada uma vertente formativa com o projeto “Palavra-Chave” que procura formar e coordenar voluntários, motivando-os para a intervenção nos Estabelecimentos Prisionais da sua área de residência. Neste âmbito já decorreram ações em Bragança, Lamego, Grândola, Ponta Delgada e Lisboa.




Depoimento:
Omitindo alguns pormenores para garantir a privacidade, reproduzimos um e-mail que nos chegou de um participante numa das nossas ações.
"Já andava há algum tempo para escrever, mas ainda não tinha tido capacidade para pôr em palavras o que queria dizer. De certeza que não se lembra de mim, mas conheci o Filipe o ano passado no EP (...) e eu nem queria ir. Estava muito revoltado, tinham-me dito para me inscrever, mas eu no dia em que ia acontecer também fui informado que afinal já não ia sair na data que estava a pensar. E eu disse para mim, que é que vale andar a participar nas atividades todas, andar no ensino e portar-me bem se depois não tenho nenhum benefício e não posso sair mais cedo?
Quando fui para a sala ia a pensar nestas coisas e achar que ia apanhar mais uma valente seca. Nunca gostei de poesia. E há muita gente que vai à prisão fazer a boa ação do dia: tratam o recluso como se fosse um coitadinho, não percebem nada do que estamos a passar, mas gostam de se ouvir a dizer coisas bonitas e saem de lá satisfeitas com elas mesmas, porque já vão para o céu.
Mas depois de ouvir o Filipe a falar e de perceber que não estava ali como se fosse melhor que nenhum de nós, mas estava porque a poesia lhe tinha salvado a vida e acreditava que podia funcionar para nós, ficou tudo diferente. Foi uma hora e pouco que passou a correr, eu não falei, mas alguns companheiros deram as suas opiniões e nenhum esteve a ser julgado por dizer o que sentia. Acho que não devia dizer que é uma aula de poesia, já estive com muitos psicólogos e acho que foi mais isso que estivemos a fazer estivemos a pensar sobre nós mesmos, a olhar para o que somos e queremos ser. Mas se calhar nas vezes que estive com psicólogos nunca consegui perceber tanto de mim mesmo como naquela hora e no que levei de lá.
Gostei muito daquele poema da família à mesa mas aquele que diz que lhe salvou a vida ficou guardado na minha cabeça desde aquele dia. Uma das primeiras coisas que fiz quando sai foi tentar encontrar o poema mas não sabia qual era autor mas agora já tenho o livro de Charles Baudelaire! À minha filhota já não compro tantas vezes brinquedos comecei a comprar livros e gosto muito de os ler com ela.
Descobri finalmente o site na internet e queria dizer que nem sempre agradecemos como deve ser. Não sou muito bom com as palavras mas o dia em que esteve connosco foi diferente de todos os outros que lá passei por isso muito obrigado. Não faz ideia do bem que faz a quem lá está assim. (...) E nunca mais me esqueci de encontrar os poemas dentro das músicas e a poesia nas árvores ao vento. (...)"








Poderá também gostar de:

A Beleza Das Pequenas Coisas
Johnson Semedo, de ladrão e presidiário a herói.



O segundo episódio do podcast “A Beleza das Pequenas Coisas” conta a incrível história de João Semedo Tavares, mais conhecido por Johnson Semedo, um homem de 43 anos que viveu várias vidas nesta vida. Foi menino de rua, ladrão, pequeno traficante, toxicodependente, passou mais de 10 anos na prisão e, após uma profunda transformação pessoal, tornou-se um herói nacional.

Enviar um comentário